O formato do CPP

O ensino de permacultura no formato do Curso de Planejamento em Permacultura (CPP), que possui o mesmo conteúdo do Permaculture Design Certificate Course (PDC) é organizada de forma a ser o mais interdisciplinar possível, garantindo sempre vagas a participantes de outros cursos.

Essa primeira parte do livro aborda a experiência de ensino da disciplina “Introdução à permacultura”. Lecionada desde 2012 na UFSC e, mais tarde, com agregações de outras experiências de colegas da Rede NEPerma Brasil.

As formas de ensinar

O ensino da permacultura, de modo geral, dialoga com distintas metodologias, de acordo com quem ensina. No entanto, há uma característica importante no instrutor que ensina permacultura, ele não é um teórico do assunto. Ele é antes um cientista prático, que não baseia sua opinião apenas em livros, mas que está o tempo todo estudando e aprendendo na prática, com vivências concretas em permacultura.

O currículo de um PDC deve seguir minimamente a proposta de Bill Mollison, publicada em 1985 no Syllabus, as éticas e os princípios de planejamento propostos por ele e por David Holmgren, lembrando que os princípios estão em constante revisão.

Nas vivências dos instrutores de permacultura, discute-se que a ordem dos conteúdos é irrelevante, podendo iniciar por qualquer ponta, mas, no fim, todo o conteúdo proposto é abrangido. Neste livro buscamos transmitir a forma de ensinar o PDC que tem sido desenvolvida pelo NEPerma/UFSC. O currículo de curso desenvolvido pelo NEPerma/UFSC é construído sobre processos e fluxos energéticos.

Outras entidades parceiras trabalham com diferentes abordagens. A do Instituto Çarakura é estruturada por zonas, já a da estação de permacultura Yvy Porã segue por pedagogia de projetos. Para todos os PDCs mencionados, compreendemos que podemos começar por onde bem quisermos, desde que mantida a lógica de transmissão sistêmica dos conteúdos.

Ensinando por zonas

O ensino começa pela Zona 0 (zero), a casa, e em alguns casos pela “-1”, que se refere à consciência das pessoas. Nessa abordagem iniciada pela Zona -1, o primeiro dia de PDC é marcado pela sensibilização dos participantes com relação às questões ambientais e sociais. Logo após essa sensibilização, entra-se na Zona 0 e segue-se para as demais zonas 1, 2, 3, 4 e 5.

A ideia de ensinar por zonas prevê estimular o participante de dentro para fora e, à medida que ele se afasta para zonas mais periféricas, vão se agregando os novos elementos. Em cada zona estudada, são repassados todos os conteúdos que podem ser trabalhados para esses espaços, por exemplo, Zona 1: manejo de águas, energias, ecologia cultivada (cultivos e criações), planejamento para eventos extremos, construções etc. Zona 2: idem para os elementos que serão implantados nela, e assim sucessivamente para as demais zonas energéticas de planejamento. Alguns temas podem ser passados de forma única ou transversal, pois independem de zonas, como a leitura da paisagem, a metodologia de planejamento (elementos/características, necessidades e funções/zonas e setores), as estruturas invisíveis, os conceitos básicos de ecologia, os solos etc.

Ensinando por pedagogia de projetos

Na estação de permacultura de Yvy Porã, os permacultores Jorge Timmermann e Suzana Maringoni propõem que o ensino de permacultura dialogue com a pedagogia de projetos, partindo das vivências dos participantes. Ou seja, que o grupo repense as reais necessidades das pessoas e a sua relação com o meio ambiente.

O curso inicia com as demandas do grupo a partir da pergunta: “O que o ser humano precisa para viver e ser feliz?”. As demandas do grupo geralmente apontam para pontos concretos como abrigo, água, alimentação, saneamento etc. e também para pontos que levam à ética, como respeito, companhia, amor, saúde etc. Assim, via de regra, parte-se da moradia e segue-se permeando as demais zonas energéticas dialogando com as éticas e princípios de planejamento durante todo o curso.

No sentido de vivenciar as aulas teóricas, aparecem as práticas que servem de ilustração para o que foi desenvolvido em sala ou que venham a servir de problematização para a aula teórica que virá depois.

A elaboração do planejamento no final do processo busca fazer a síntese de tudo o que foi estudado e discutido. O fato de um aprendiz de permacultura fazer o exercício do planejamento em grupo, num ambiente com amparo dos seus instrutores, é de suma importância para que haja a possibilidade de todos se debruçarem sobre o estudado e de aplicarem, numa área determinada, os conceitos e os conteúdos trabalhados nas aulas.

Ensinando por princípios

Em todos os PDCs, os princípios de planejamento devem paulatinamente estar presentes, pois sua incorporação é fundamental para a formação do permacultor. Pensar um curso em que cada princípio de planejamento (segundo David Holmgren) possa ser abordado em meio turno (manhãs e tardes) no decorrer do período pode ser uma via para obter essa incorporação. O quadro a seguir dá uma sugestão de conexão entre cada princípio de planejamento e o tema a ser abordado no PDC.

Princípio de planejamentoTema a ser abordado
Observe e interajaLeitura da paisagem
Capte e armazene energiaEnergias
Obtenha rendimentoEcologia cultivada
Pratique a autorregulação e aceite conselhos (retornos)Planejamento para eventos extremos
Use e valorize os recursos naturais renováveisSolos
Não produza desperdíciosMétodo de planejamento do espaço
Planejamento partindo dos padrões para chegar aos detalhesPadrões naturais
Integre ao invés de segregarEstruturas invisíveis
Pense soluções pequenas e lentasIntrodução e sensibilização
Use e valorize a diversidadeFundamentos de ecologia
Use as bordas e valorize os elementos marginaisÁguas
Use a criatividade e responda às mudançasArquitetura e permacultura

Assim, temos o currículo todo com foco na intensidade de cada princípio, e o participante pode realizar conexões (pensamento sistêmico) entre os temas, construindo, dessa forma, o seu conhecimento. A proposta norteadora é manter os princípios de planejamento presentes ao longo de todo o curso.

Caso não seja adotada como estrutura de ensino, pode-se usar essa abordagem como uma dinâmica ao final de cada aula/tema, em que os participantes devem opinar sobre qual princípio é o mais intenso para o tema que foi abordado no dia/período. Pode-se ir fixando, dia a dia, cada princípio aos temas abordados em um cartaz fixado na parede da sala de aula.

Ensinando por fluxos energéticos

O currículo do PDC/disciplina, ofertado pelo NEPerma/UFSC desde 2012, é baseado em fluxos energéticos. Nele, para cada um dos temas propostos por Bill Mollison, há sempre uma abordagem focando a conservação da energia no ambiente planejado, seja ela estocada em elementos “estáticos” ou “dinâmicos”. O currículo está baseado em três fases que buscam introduzir a temática, sentir os fluxos e estabelecer formas de convívio harmonioso com o ambiente hospedeiro.

A fase de introdução da temática apresenta a permacultura, versa sobre sua essência como ciência holística de cunho socioambiental e filosofia de vida. Para seguir com a lógica de apresentação, são ensinadas as éticas e os princípios de planejamento. Logo após, entram os fundamentos de ecologia, versando sobre conceitos básicos com ênfase na sucessão ecológica de espécies em ecossistemas naturais.

A fase que incentiva a percepção dos fluxos inicia com o aprendizado dos padrões naturais, pois esses fluxos estão baseados na eficiência de cada padrão em conservar energia por meio do seu uso otimizado em processos de sobrevivência das espécies que evoluíram desenvolvendo padrões eficientes e capazes de se adaptar às adversidades da natureza. Ainda na fase de percepção dos fluxos, é exercitada a leitura das paisagens, com ênfase em processos morfológicos do sítio e em como estes definirão os fluxos energéticos: ventos, águas, calor, sons etc., em diferentes paisagens na natureza. Seguindo a lógica de percepção dos fluxos energéticos, é ensinada a metodologia de planejamento, que mapeia a paisagem colocando setores, zonas energéticas e elementos no ambiente a ser planejado.

Na sequência dessa fase, ainda temos a inserção do tema “solos”, que versa esse meio como um reservatório de energia acumulada através da matéria orgânica depositada e contida nas porções minerais. Os solos são tratados, na permacultura, como um grande banco de energias, incluindo a importância como meio estruturante para nossas moradas, como reservatório do ciclo de água e de calor oriundo da decomposição de matéria orgânica. Além disso, serve de substrato fértil ao crescimento das culturas, sendo a base da vida. Essas culturas são abordadas na lógica da ecologia cultivada, por meio da qual é incentivada a inserção de espécies bem adaptadas a cada condição climática e a cada paisagem bem como o uso de técnicas de obtenção de alimentos com baixo consumo de energia. Sobretudo aquelas energias gastas pelo permacultor, pois este se valerá das conexões entre elementos e zonas energéticas para realizar o manejo do sistema planejado.

O fechamento dessa fase se dá explicitando as principais energias nos temas “águas” e “energias” no sistema planejado. Nesses dois temas, são mostrados todos os fluxos e estratégias de conservação e de conversão das águas e das energias, por meio de dispositivos naturais de manejo ou por tecnologias apropriadas.

A última fase, que versa sobre o convívio harmonioso, inclui três temas: “arquitetura e permacultura”, “planejamento para eventos extremos” e “estruturas invisíveis”.

Como este livro é estruturado conforme o currículo por fluxos energéticos, cada tema será abordado de forma detalhada ao longo da obra.

A estrutura do CPP por energias

Este livro tem sua estrutura baseada no currículo de ensino por fluxos energéticos, que compartilha os conhecimentos da permacultura considerando três estágios de aprendizado, que incluem bases fundamentais de conhecimento para a [re]conexão à natureza, o manejar do espaço planejado e a inserção do humano na paisagem.

O primeiro estágio fala dos conhecimentos fundamentais para a formação de um permacultor, passando pela sensibilização para os problemas ambientais e o nosso distanciamento da natureza. Logo após, vem a apresentação das éticas e princípios de planejamento, fundamentos de ecologia e clima, reconhecimento de padrões naturais e como fazer a leitura da paisagem.

O segundo estágio compreende o manejo da paisagem considerando a metodologia de planejamento da permacultura, conhecimentos sobre solos e o cultivo de alimentos, bem como o entendimento de como as energias fluem na paisagem.

O terceiro estágio insere o humano atual dentro de toda sua cultura de infraestrutura desenvolvida no contexto da paisagem, considerando o abrigo, o reconhecimento de riscos e a construção de relacionamentos sociais.

O quadro a seguir apresenta a carga horária e os temas e subtemas relacionados a cada estágio.

TemasSubtemas abordadosCarga
horária
PRIMEIRO ESTÁGIO – [RE]CONECTANDO-SE À NATUREZA
O que é permacultura e qual é a sua história?Por que Permacultura?
Resumo do PDC
Programação do curso
Forma de funcionamento
4
Éticas e princípios de planejamentoAs três éticas da permacultura
Os princípios de planejamento
4
Fundamentos de ecologiaVisão global: geomorfologia, climas e biomas associados
Relações ecológicas
Ecologia florestal e sucessão ecológica
Reciclagem e compostagem
4
Padrões naturaisTipos
Funções
Percepção
Interpretação
Aplicação
4
Leitura da paisagemInsolação
Ventos
Curva-chave
Estratégias em diferentes climas
4
SEGUNDO ESTÁGIO – MANEJANDO A NATUREZA
Método de planejamento do espaçoSetores
Zonas
Análise de elementos
Localização relativa
4
SolosCaracterísticas
Importância
Identificação
Manejo ecológico
4
Ecologia cultivadaTipos de agroecossistemas
Estratégias de cultivos
Animais como elementos
Plantas alimentícias não convencionais ou plantas da biodiversidade
Plantas medicinais e seus usos
16
ÁguaO ciclo e distribuição da água
Água como elemento na paisagem
Águas no espaço de planejamento e estratégias de uso
Manutenção da qualidade
Tecnologias apropriadas ao uso
4
EnergiaPercepção na paisagem e no sistema planejado
Potenciais de aproveitamento
Tecnologias apropriadas ao aproveitamento
4
TERCEIRO ESTÁGIO – INSERINDO O HUMANO NA PAISAGEM
Arquitetura e permaculturaConceitos fundamentais
Cultura e paisagem
Conforto ambiental e estratégias bioclimáticas
Projeto e sistemas construtivos
Técnicas de bioconstrução
4
Planejamento para eventos extremosO que são eventos extremos?
Níveis de risco
Planejamento de prevenção
Planejamento de remediação
4
Estruturas invisíveisCompreensão das estruturas biológicas, culturais, econômicas e sociais e seus impactos
Autorregulação contínua
Planejamento permacultural pessoal
Ampliação para uma perspectiva não especista de animais
4
Projeto finalDiretrizes
Concepção
Desenvolvimento
Apresentação
16

Entre em contato com o autor

O formato do CPP